Tumblelog by Soup.io
Newer posts are loading.
You are at the newest post.
Click here to check if anything new just came in.
novidadespraboadieta26

Blogueira Fitness Enfrenta Câncer E Vira Guru Da Superação No Instagram


Obter Dinheiro Online E Offline


A maioria dos novos internautas quando se depara com a hipótese de montar um blog acaba optando por nichos que exigem posts mais descomplicado e que relativamente causam menos trabalho. É muito comum web sites de humor pela plataforma Blogger que utilizam um template fácil com a post e uma lateral de widgets, seguindo mesmo modelo da maioria, como se aquele modelo fosse o mais claro ou obrigatório. O acontecimento é que os blogs de humor no decorrer do tempo ficam saturados e são poucos que apresentam hoje em dia um prazeroso conteúdo, original e contrário. Pra montar um site de humor é preciso esses e alguns outros detalhes que irei esclarecer posteriormente.


Primeiramente com o objetivo de desenvolver um prazeroso website de humor você tem que ser engraçado, senão a única coisa que fará é copiar postagens de outros blogs fazendo algumas vezes pequenas modificações. No momento em que falo engraçado não significa ser engraçado na frente dos amigos ou dezenas de pessoas. Você super bem poderá ser engraçado, contudo pessoalmente ser tímido. Eu mesmo consigo ser muito engraçado no momento em que falo sobre isto vários tópicos, às vezes entre poucos amigos íntimos ou na própria internet. Analise seu tipo de humor, podes ser um humor critico ou outro tipo que assim como provoca o sorriso das pessoas.


A originalidade nos dias de hoje é muito rara nos web sites de humor. É quase que irritante a quantidade de blogs onde você vê a mesma piada a todo instante, o pior é que vários copiam e nem sequer citam as fontes ou no momento em que citam na verdade está referenciando a fonte de um plagiador.


  • Home »

  • 11/09 | 09h20

  • Detalhamento de rendimentos

  • Capítulo 464

  • 10º Yahoo Respostas

  • Os eletrodomésticos

  • Organização da infraestrutura da página



Com o tempo os “blogs piratas” perdem seu espaço e só ficam os melhores. Se levarmos em conta todos os kibadores (termo usado pra distinguir quem copia websites de humor) acaba restando uma pequena quantidade de web sites de humor originais e que merecem o respeito por serem criativos. Quer gerar um web site de humor? Pois seja criativo, tenha um diferencial, apresente coisas algumas que de fato irão segurar os visitantes. Faça vlogs, séries e busque sempre focos novos pra aproximar-se, não copie, crie.


O livro “Máquina de pinball” também tem alguns textos publicados no web site, entretanto não é uma transcrição. Ela começou a digitar e espalhar seus textos no Mirc, freguês de IRC usado pra troca de mensagens. Com o término do Cardoso Online, Clara resolveu descobrir outro canal pra digitar seus textos.


Pra ela, a imensa maioria dos sites na época eram jovens, alguma coisa como “termina um namoro e cria um blog”. Atualmente, as coisas mudaram, no entanto ela ainda busca passar tua visão de vida em seu blog. Pra Clara, “um website é o que o autor quer que ele seja”.


Não existem regras, e bem como não existe qualquer coisa chamado “literatura de blogs”. Cada blogueiro pode discursar a respeito do que quiser, seja tecnologia, receitas, ou até já política. De acordo com Clara, é uma péssima idéia gerar um web site pra ganhar dinheiro, uma vez que é um caminho bem alongado, e não existe uma fórmula de sucesso. A proposta do Gizmodo Brasil era agora começar de forma profissional. Segundo Pedro Burgos, editor do web site e um prazeroso símbolo do encerramento da “blogosfera moleque”, isto só foi possível por causa outros blogueiros, que pavimentaram a trajetória.


Sobre a evolução da blogosfera e do jornalismo, Burgo falou que o vasto trunfo dos blogs está na independência. Para ele, ninguém precisa publicar teu website seguindo os regulamentos de um manual de um jornal tradicional. Burgos foi contratado pra ser o editor do Gizmodo Brasil em 2008, a convite do Adriano Silva. O jornalismo, pro editor do Gizmodo, está caminhando para a avaliação, que é o que as pessoas estão procurando. Cora entra pela conversa defendendo o jornalismo de tecnologia no Brasil, falando que em 1997 de imediato tinha uma coluna no JB que era repleta de posição.

Tags: blog

Don't be the product, buy the product!

Schweinderl